Sobre o livro “O Rei do Inverno” – As crônicas de Artur.

Olá queridos e queridas. Boa tarde!

Antes de iniciar o post de hoje sobre esse livro maravilhoso do título, quero fazer uma pequena introdução.

Quando o blog era só uma ideia na minha cabeça, eu comecei a escrever resenhas no meu facebook à respeito dos livros que estava lendo no momento. Foi uma experiência ótima a nível de treino. Gostaria de compartilhar com vocês algumas dessas resenhas, que também podem ser encontradas no blog sobre literatura da minha mãe: http://palavralida.blogspot.com.br/ , aliás é um excelente blog para quem ama literatura, acessem! Abaixo segue na íntegra a resenha sobre o “Rei do Inverno”, feita no dia 20/05/2015.

11231798_834596493295579_3113166853194665008_n

“Esse livro me foi indicado pelo meu querido Ronaldo Riley. É um de seus livros de ficção preferidos e eu fui conferir por que. E sinceramente, QUE BOM, QUE BOM, QUE BOM, que fiz isso!
Bernard Cornwell, que é amigo de outro escritor muito conceituado, George Martin, da série Game of Thrones, tem talvez uma escrita mais envolvente que o último (tcharãn, joguei a polêmica, mas tenho o direito de expressar minha opinião rs). PS: No devido tempo irei falar da minha relação de amor e ódio com Game of Thrones, mas isso fica para um outro papo.

“O rei do inverno” é um romance baseado nas lendas e crônicas do lendário Rei Artur através da perspectiva de seu soldado mais fiel, o personagem Derfel. Apesar de ser um romance histórico, Bernard Cornwell se utiliza de algumas fontes históricas para dar maior embasamento à sua escrita. No final do livro, na “Nota do autor”. Cornwell explica sobre a imprecisão das fontes sobre a existência desse Rei Guerreiro que comandou incríveis vitórias contra a invasão saxã no final do século VI d.C; além de dar dicas sobre aonde na narrativa ele se utilizou mais da imaginação do que da história propriamente dita.

Na obra “De Excidio et Conquestu Britanniae” do autor Gildas, uma das fontes das quais Bernard Cornwell se utiliza para falar sobre um período conturbado de invasões saxãs na Britannia, hoje conhecida como Inglaterra, essas batalhas são descritas, mas não menciona o Rei Artur. Apesar dessas divergências nos sentimos completamente impelidos para a história ficcional-mas-com-fundo-de-verdade do autor. Tem de tudo: guerra, romance, drama, religião…pode agradar realmente a todos os tipos de leitores.

Uma leitura associada que fiz a bastante tempo de “As Brumas de Avalon”, (que também pode ter uma resenha mais para frente), não deixa claro o conflito Cristianismo X Paganismo que existia na Idade Média. Nesse livro vemos o paganismo como forma cultural intrínseca nas pessoas da época, diferentemente de ” As Brumas de Avalon”, na qual Morgana, irmã de Artur, trava uma guerra praticamente perdida contra os cristãos desde o primeiro livro dos quatro livros.

Impossível não torcer por Artur desde o início. Ele é o típico herói das histórias épicas, guerreiro, valente, com moral, diplomático, bem apessoado e inteligente. Também é impossível não sentir empatia por Derfel, pois o personagem, apesar de ter vivido em uma época muito mais remota se apaixona, luta, erra, volta atrás em decisões, se culpa, enfim, vive dilemas reais de pessoas boas de coração. Temos portanto os papéis de “vilão/mocinho” bem delimitados.

Para entender ainda mais essa história e esse universo é interessante ler textos paralelos, principalmente e obviamente sobre as lendas do Rei Artur, mas também sobre Idade Média. Se eu puder dar uma indicação de um livro geral sobre Idade Média, de leitura agradável e acessível inclusive para leigos, indicaria “A civilização feudal” de Jérome Baschet.

Espero ter conseguido deixa-los com vontade de ler esse livro, pois realmente vale a pena e já estou ansiosa para ler o segundo da saga: “O inimigo de Deus.”.”

Bem, só para situar, Ronaldo Riley é meu marido. (rs).

Se você já “O Rei do Inverno” ou os três livros da saga desse autor fantástico, que tal deixar um comentário dizendo o que achou? Podemos deixar em aberto diversos tópicos para pensarmos a respeito mais adiante.

Ah, mais uma coisinha…

Vocês tem algum livro, de qualquer tipo que seja para me indicar? Estou com aquela necessidade de leitora compulsiva (espero que não maníaca rs), que precisa de uma história que a envolva e surpreenda. Pode ser de qualquer tipo! Que tal me indicar e aí eu escrevo uma resenha aqui no blog?

Um abraço e até a próxima!

Bruna.

LIVRO: O REI DO INVERNO.

AUTOR: BERNARD CORNWELL

EDITORA: RECORD.

Anúncios

Na cozinha: Sopa de cenoura com gengibre.

Olá pessoas bonitas! Bom dia!

Hoje é Segunda-Feira, portanto, dia que a maioria das pessoas escolhe para começar uma dieta! rs.

Eu digo que mais bacana que começar uma dieta, é começar uma reeducação alimentar. Dietas podem trazer resultados rápidos, mas elas ocorrem, na maioria das vezes, às custas de sacrifícios devido aos cortes radicais de alimentos que adoramos. Quando emagrecemos e nos sentimos “liberados” da dieta, acabamos por inconscientemente querer compensar o tempo perdido, e é aí que atacamos a geladeira. A reeducação alimentar pode ser mais demorada, mas a longo prazo os resultados são positivos. Mais difícil que reduzir o peso é MANTER esse peso. As pessoas que se reeducam evitam o famoso efeito sanfona.

Não estou dizendo que devemos cortar para sempre (nossa, que radical! rs), as guloseimas. Irei fazer um post sobre o que eu entendo por alimentação saudável, que pra mim, Bruna Bonfeld, que não sou nutricionista, mas apenas uma leiga interessada, inclui sim açúcar, sal, gordura, carnes e etc. O grande mal nesse sentido, mais uma vez na minha opinião de leiga interessada, são os exageros. É isso que estou tentando buscar pra mim e para meu filho. Meu baby adora pizza por exemplo. Eu o deixo comer as que não levam carne de porco e embutidos, até por que ele é muito pequeno, mas quando chegar a hora pretendo liberar, e fazê-lo entender o que é exceção e o que é rotina.

Deixemos de blá blá blá e vamos ao que interessa. Ontem consegui, finalmente, fazer uma receita da Bela Gil com grande parte dos ingredientes que tinha em casa! Acho que estou virando realmente uma pessoa mais saudável! Que é uma deliciosa sopa de cenoura com gengibre. A receita encontra-se no link abaixo:

http://gnt.globo.com/receitas/receitas/sopa-de-cenoura-com-gengibre-receita-da-bela-gil.htm

Das opções dadas eu usei o óleo de girassol. E quanto ao sal usei o normal. Não deixei de fazer a receita, apenas adaptei a minha realidade, ela ficou realmente uma delícia e ainda assim muito saudável. No começo do post falei sobre dieta e aí vocês podem me perguntar: “Bruna, por que você indica uma sopa para o verão?” Eu respondo. Por conta do gengibre a sopa fica bem leve e refrescante. Tenho certeza que vocês vão adorar.

Foto

Se quiserem dar para os pimpolhos, perguntem aos seus pediatras quando o gengibre pode ser liberado. Normalmente, por ser mais forte, ele é indicado a partir de 01 ano.

E lembremos, se quisermos que nossos filhos sejam saudáveis, precisamos dar o exemplo. Não adianta nada eu dizer para meu filho: “Francisco, coma cenoura” , se eu não comer.

E vocês? Tem alguma receita que leve gengibre para me indicar? Ou uma sopa muito gostosa?

Um abraço.

Bruna.

Introdução alimentar: dicas para seu bebê “papar” tudinho!

frutasBoa noite!

Muitas pessoas podem estar ansiosas para o momento em que trocaremos receitas e apresentaremos pratos deliciosos uns aos outros. Gostaria, antes de iniciar esse longo post, de lembrar que a categoria “panelas” do blog trata principalmente de alimentação saudável infantil, e até vermos uma criança devorando um lindo e maravilhoso prato saudável temos um longo percurso pela frente. Precisamos discutir sobre isso, para termos adultos mais saudáveis no futuro.

O tema desse post sempre gera muitas dúvidas para as mamães (e papais) que irão começar a introdução alimentar de seu filho ou filha. Normalmente a introdução alimentar é indicada para bebês a partir de 06 meses e basicamente consiste em: frutas, legumes, verduras, grãos, leguminosas e carnes. Achou muito? Pois não é! Vamos ver por que uma introdução alimentar feita com muito cuidado e com a maior VARIEDADE possível vai fazer seu baby “papar tudinho”.

Meu filho me deu um trabalhão enorme nesse início. Como ele se alimentou exclusivamente de leite materno até o sexto mês demorou para ele entender que seria necessário outros alimentos para que se sentisse saciado. Ou seja, eu tinha um bebê de 09 meses, NOVE (rs), que queria passar o dia inteiro mamando. Essa informação é para tranquilizar os pais que estão com dificuldades. Passa, galera. A maior dica é não desistir. Continuem insistindo. Claro, se você ofereceu vinte vezes batata doce e seu filho não comeu, isso pode dizer alguma coisa a respeito do paladar em formação da criança. É importante estar atentos aos sinais, afinal, nossos filhos não são bonecos, mas sim seres humanos, com gostos e preferências.

PAPINHAS SALGADAS. 

A primeira papinha do meu filho teve:

01 tubérculo: Batata inglesa – Batata doce – Batata baroa – Inhame – Aipim

01 legume vermelho ou laranja: Abóbora – Cenoura – Beterraba.

01 legume verde: Chuchu – Abobrinha.

01 carne: músculo ou peito de frango.

Passei uma semana variando entre esses legumes, fazendo diversos tipos de combinações.

MODO DE PREPARO: 

Refogue cebola, alho, cheiro verde e tomate com óleo. Deixe dourar. Acrescente os legumes descascados e deixe-os refogar bastante junto com o tempero (essa foi uma dica da minha mãe). Acrescente água fervida e deixe a sopa cozinhar em fogo baixo. Quando os legumes estiverem bem “molinhos” isso indica que a sopa está pronta. O sal não é indicado para não viciar o paladar do bebê, mas se você sentir que é necessário para agregar no gosto acrescente um pouco no próprio refogado.

Se for possível, EVITE, bater no liquidificador essa papinha. É importante o bebê sentir as texturas reais dos alimentos, para ser mais fácil que ele as aceite no futuro. O indicado é amassar a quantidade que o bebê for comer com um garfo até ficar com a consistência de uma papa grossa, porém com alguns pedacinhos. Eu precisei bater no liquidificador. Contraditoriamente minha experiência pessoal foi diferente das recomendações da Associação Brasileira de Pediatria. Até o nono ou décimo mês (não me lembro exatamente), meu filho só tomava a sopa batida. Aos poucos eu fui inserindo partes sólidas na sopa, até ele se alimentar totalmente de sólidos. Por isso que estou dizendo que foi uma batalha, não foi nada fácil. As vezes precisamos recorrer às nossas estratégias diárias para que o resultado final seja positivo.

Bem, após a introdução desses alimentos, com uma semana introduzi na mesma sopa uma verdura, pode ser brócolis, couve-flor, vagem, pepino… um grão, no nosso caso o arroz branco, e o feijão como leguminosa.

Aconselho a variar essas combinações de todas as formas possíveis, para a criança não ficar adaptada a um único sabor. Troque o arroz por macarrão em algum momento. Troque o feijão por ervilha ou lentilha. Troque as verduras, os legumes…a variedade é imprescindível.

FRUTAS: 

Precisarei de outro post para defender minha opinião sobre os sucos naturais.

Adianto que a Associação Brasileira de Pediatria não recomenda oferecer suco natural até 01 ano de vida da criança. Mas eu dei. Mais uma vez eu fiz ao contrário do que as recomendações oficiais me disseram para fazer e mesmo assim tenho uma criança linda e saudável em casa.

A mamãe, o papai, a vovó, o vovô, a titia, o titio, podem oferecer frutas na parte da manhã, após a primeira mamada e de sobremesa, após o almoço.

É importante criar uma rotina de alimentação. Isso dá segurança para a criança. Ela entende que aquele é o horário de comer e o organismo vai naturalmente se adaptando.

Normalmente os pediatras recomendam quase todas as frutas na introdução alimentar à exceção de morangos e kiwis, que são frutas que podem causar alergias para um corpinho que está iniciando a fase de receber alimentos. Isso se deve principalmente ao alto teor que infelizmente essas frutas carregam de agrotóxicos. E também frutas cítricas como laranja, limão e abacaxi.

Bem, bananas, maçãs (normalmente raspas), mamão, manga, abacate, pera, goiaba estão liberadas. Claro que os pais devem estar atentos a como funciona o organismo do baby nesse início. Banana prende o intestino, mamão solta. As características naturais das frutas vão influenciar inclusive como seu bebê irá se relacionar com elas.

Alimentos como ovo, peixe e pão são liberados pelo pediatra ou nutricionista de acordo com o histórico de saúde do bebê. No caso do meu filho esses três alimentos foram liberados a partir do nono mês.

Espero que tenham gostado deste post, o qual compartilho sobre o que sei de introdução alimentar, principalmente através da minha experiência pessoal. Quem tiver alguma dúvida ou quiser saber mais a respeito dos procedimentos que adotei na introdução me deixe um recado. Vou adorar ler!

verdura

Dia de feira.

Boa tarde! Hoje foi dia de feira! Através dessa foto vocês poderão perceber um pouquinho sobre o tipo de educação alimentar que procuro passar para o meu filhote, de um ano e sete meses. Bastante frutas, legumes e verduras. Hoje pretendo que seja um dia especial. Leia-se: pretendo! (rs). Quero fazer umas delícias naturais que meu filho Francisco adora e postar aqui para vocês verem. Acompanhem! 🙂

PS: Sim, o morango é orgânico e as uvas sem caroço. O saquinho branco é tapioca! Huuuuumn ^^

Foto tirada por Bruna Bonfeld.

Sobre “Os homens que não amavam as mulheres” – Série Millennium.

Olá, boa noite!

Hoje em “Letras” vamos falar sobre o primeiro livro da série que virou fenômeno mundial e ganhou adaptação para o cinema com o celebrado ator Daniel Craig (o ator mais recente de James Bond), o best-seller “Os homens que não amavam as mulheres”, do autor falecido em Novembro de 2004 Stieg Larsson.

Foto tirada pela autora do blog: Bruna Bonfeld.
Foto tirada pela autora do blog: Bruna Bonfeld.

Já comentei que meu marido e eu temos um hobby bastante legal e incomum, que é ler livros juntos, em voz alta, um para o outro. Tanto ele como eu adoramos ler. Juntos já lemos: “Harry Potter” (os 07 livros), “Game of Thrones” (os 5 livros já lançados), “A sombra do vento”, “O lado bom da vida” e “A verdade sobre o caso Harry Quebert”. Falando assim parece que somos dois malucos, mas se um dia você puder ter com alguém essa experiência de dividir os espantos e alegrias que a literatura pode proporcionar, irá com certeza entender o por quê de gostarmos tanto de fazer isso.

Bem, o livro que estamos atualmente lendo (eu já tinha lido mil vezes sozinha), é “Os homens que não amavam as mulheres”.

O livro é ambientado na Suécia, local que o jornalista Mikael Blomkvist e a hacker Lisbeth Salander se juntam para desvendar um mistério de desaparecimento, possivelmente de morte. A vida dos personagens se cruzam diante da necessidade de entender como Harriet Vanger sumiu sem deixar vestígios, deixando Henrik Vanger (seu tio-avô) desolado. Conforme lemos entramos na vida da complicada e intensa família Vanger, que possui um poderoso grupo no ramo industrial sueco. Paralelo à isso o autor nos deixa absolutamente encantados com Mikael e Lisbeth. Mikael, um jornalista econômico de sucesso que administra a polêmica revista investigativa Millennium e Lisbeth, uma controvertida heroína feminina, forte, destemida, com uma vida totalmente fora dos padrões, que dificilmente encontramos na literatura. Pouco a pouco, entendemos a trajetória dos dois personagens e torcemos tanto para que eles resolvam o mistério que o autor propõe de forma brilhante, como para que suas vidas pessoais consigam se ajustar em consequência do sucesso da missão. É um livro absolutamente envolvente, que nos faz querer lê-lo vinte quatro horas por dia (pelo menos é essa a minha impressão). Bem escrito, que tem de tudo: suspense, ação, romance. É bem humorado em diversos momentos.

Não foi a troco de nada que o livro ganhou uma adaptação para os cinemas em 2012, do diretor David Fincher com Daniel Craig  no papel de Mikael e Rooney Mara no papel de Lisbeth. (versão americana). Infelizmente, pois o filme foi muito bom, os produtores resolveram não apostar na continuação. Entretanto, para quem é fã da saga tem a versão sueca dos três primeiros livros adaptados para filmes. Não vi. Como vi primeiro a versão americana não consigo conceber outros atores para os papéis.

Quem gosta da série Millennium sabe que é muito dificil encontrar personagens tão característicos quanto aqueles criados brilhantemente por Stieg Larsson.

Indico! Se alguém leu e quiser deixar um comentário sobre alguma parte específica do livro seria bastante interessante para agregar ainda mais para um assunto tão bom quanto este. Se alguém quiser me indicar alguma outra série ou livro que siga uma linha parecida com Millennium também agradeço. Sugestões são sempre bem-vindas para quem é amante da boa literatura.

LIVRO: Os homens que não amavam as mulheres. (Millennium)

AUTOR: Stieg Larsson.

Editora: Companhia das letras.

Fontes sobre as informações do filme: Site http://www.adorocinema.com

Apresentação para PANELAS e AMAMENTAÇÃO.

AVISO: POST GRANDE! (RS).

Boa tarde. Demorei um pouco mais para publicar um post novo por que este é um tema que precisa de apresentação, para além daquela que fiz para dizer o objetivo do blog.

Minha experiência de cozinha se resume ao período de um ano. Sim. Um ano. Portanto, meu objetivo, principalmente nesta área do blog é mais trocar do que qualquer outra coisa. Posso errar, voltar atrás e fazer de novo. Sem problemas! Darei dicas e espero recebê-las também.

Quando meu filho começou a introdução alimentar e eu precisei aprender a fazer papinhas, senti necessidade de melhorar minhas capacidades culinárias, que até então se resumia a: miojo, brigadeiro de panela, fritar ovo e bife e fazer sanduíches rápidos com bastante embutidos. Na minha família, tive o privilégio de sempre comer muito e bem pois minha avó e minha mãe cozinham e são ótimas cozinheiras, isso não justifica, mas explica meu histórico de sempre ser alimentada e não alimentar. Porém, quando a gente vira mãe algumas coisas mudam, né? Algumas características se intensificam, se modificam e adquirimos outras novas. Não estou dizendo que para ser uma boa mãe é necessário ser cozinheira/mestre-cuca, mas no meu caso, em particular, senti essa vontade.

Bem, mas antes disso acontecer, a introdução alimentar do meu filho, que foi aos 06 meses (e senti bastante dificuldade no início), eu AMAMENTEI! E amamentação é o início de uma vida de alimentação saudável. Aqui se faz importante  um parêntese: Mãe, você, que não conseguiu amamentar, não pôde, sentiu dificuldade, este post não é para te julgar. E você, mãe, que não quis amamentar, respeito sua escolha, pois mais uma vez não estou aqui para te julgar.O que eu realmente desejo é auxiliar, incentivar e dizer os benefícios para a mãe que está na fase de ter um lindo recém-nascido em casa que precisa ser amamentado (seja com leite materno ou artificial).

O Ministério da Saúde recomenda que o bebê seja amamentado exclusivamente com leite materno até o sexto mês, e que a amamentação se prolongue por dois anos ou mais. Além do vínculo que a amamentação promove entre mãe e bebê, o leite materno é a combinação mais saudável que existe, o qual nenhum leite artificial consegue reproduzir.

“O leite materno contém componentes e mecanismos capazes de proteger a criança de várias doenças. É um simbiótico: uma fonte natural de lactobacilos, bífidobactérias e oligossacarídios. Nenhum outro alimento oferece as características imunológicas do leite humano.” (Site Portal Brasil).

Mães, eu sei que amamentar é difícil. No início pode ser muito difícil. MUITO! Afinal, você acabou de chegar da maternidade, com um bebezinho tão frágil e indefeso, que você quer cuidar e proteger a qualquer custo. Queremos acertar sempre, né? O cansaço é grande e muitas vezes a falta de experiência também. Se a amamentação não for “natural” para você, peça ajuda, conselhos, de profissionais de saúde especializados nessa área. Se você pesquisar, vai achar instituições voltadas para o apoio e ajuda à mãe lactante. E se você tiver com disposição NÃO desista! Vale muito a pena.

Várias mães sentem insegurança sobre se a quantidade de leite materno que está sendo ingerido é suficiente para matar a fome do bebê. Caso você tenha disponibilidade, durante a licença-maternidade e após, ofereça o peito em livre demanda. A amamentação envolve alimentação E afeto. O bebê recorre ao peito quando sente fome, quando sente sede, quando sente necessidade de proteção e aconchego materno. Se o bebê está ganhando peso e está saudável, ele não precisa de outro leite.

Falo por experiência, mas também por pesquisa. Caso você queira saber alguma dica a mais sobre amamentação mande um e-mail para: letrasartesepanelas@gmail.com . Espero poder ajudar.

Foto retirada do site: simplesmentebebe.com
Foto retirada do site: simplesmentebebe.com

Beijos.

Bruna.

Nova temporada do The Voice Brasil

Olá pessoas!

Hoje começa a quarta temporada do The Voice Brasil na Rede Globo, após a novela “A regra do jogo”.

O programa consiste em um reallity, no qual pessoas desconhecidas buscam uma chance de mostrar seu talento vocal para o Brasil, essas pessoas são avaliadas e acompanhadas por um técnico. A equipe é composta pelas seguintes celebridades: Lulu Santos, Carlinhos Brown, Cláudia Leite, e nesse ano o novato Michel Teló, no lugar do cantor sertanejo Daniel. O programa possui diversas versões estrangeiras, sendo a mais famosa a dos Estados Unidos, que vai para sua nona temporada.

Após essa breve introdução explicatória que provavelmente a maioria já sabe (rs), podemos conversar sobre o assunto? Afinal, estamos aqui para isso. Conversar.

Não vi a primeira temporada do programa brasileiro, infelizmente, pois dizem por aí que foi a melhor, com a vencedora Ellen Oléria. Vi a segunda e torci muito pelo Sam Alves e pelo Pedro Lima, o vencedor foi o Sam Alves. A terceira achei mais sem graça, tiveram cantores e cantoras realmente bons que foram eliminados pelo caminho por não serem “pops” o suficiente, mas achei relativamente justa a vitória da dupla Danilo Reis e Rafael, até por que o cantor principal tem uma voz maravilhosa mesmo.

Estou com expectativa para essa quarta temporada, apesar de o programa ter caído de rendimento no decorrer das três temporadas. Quanto ao Michel Teló, acredito sim que ele tenha talento, mas optou por cantar músicas que lhe trazem um retorno financeiro maior e mais rápido, o que é muito comum no mercado musical. Agora é aguardar o programa e depois comentamos aqui. Quanto a mim, adoro o programa. Pode ter algumas bobagens aleatórias, mas prezo pela música brasileira em primeiro lugar, o que me faz preferir esse programa às versões estrangeiras.

E vocês? Gostam? Não gostam? Vão assistir? Não? Opiniões? Deixa um recadinho, vamos conversando! 😉

Foto retirada do Facebook oficial do programa TVB.
Foto retirada do Facebook oficial do programa TVB.